DA VIGILÂNCIA SOBRE OS PENSAMENTOS

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Salve Maria Puríssima! 

1)                A respeito dos maus pensamentos encontra-se, muitas vezes, um duplo engano:

 a) Almas que temem a Deus e não possuem o dom do discernimento e são inclinadas aos escrúpulos, pensam que todo mau pensamento que lhes sobrevêm é já um pecado. Elas estão enganadas, porque os maus pensamentos em si não são pecados, mas só e unicamente o consentimento neles. A malícia do pecado mortal consiste toda e só na má vontade, que se entrega ao pecado com claro conhecimento de sua maldade e plena deliberação de sua parte. E, por isto, Santo Agostinho ensina que não pode haver pecado onde falta o consentimento da vontade.

Por mais que sejamos atormentados pelas tentações, pela rebelião de nossos sentidos, pelas comoções ou sensações desregradas de nossa natureza corpórea, não existe pecado algum enquanto faltar o consentimento, como ensina também São Bernardo, dizendo: "O sentimento não causa dano algum, contanto que não sobrevenha o consentimento".

Para consolar tais almas timoratas e escrupulosas, quero oferecer-lhes aqui uma regra prática, aceita por quase todos os teólogos: Quando uma alma que teme a Deus e detesta o pecado, duvida se consentiu ou não em um mau pensamento, não está obrigada a confessar-se disso, porque, em tal caso, se tivesse realmente cometido um pecado mortal, não estaria em dúvida a esse respeito, porque o pecado mortal, para uma alma que teme a Deus, é um monstro tão horrendo, que não poderá ter entrada em seu coração sem o perceber.

b) Outros, que possuem uma consciência mais relaxada e são mal instruídos, julgam, pelo contrário, que os maus pensamentos nunca são pecados, mesmo havendo consentimento neles, contanto que não se chegue a praticar. Este erro é muito mais pernicioso que o primeiro. O que se não pode fazer, não se pode também desejar; por
isso, o mau pensamento em si contêm toda a malícia do ato. Assim como as más obras nos separam de Deus, também os maus pensamentos nos afastam d'Ele e nos privam de Sua graça. "Pensamentos perversos nos separam de Deus" (Sab 1, 3). Como as más obras estão patentes aos olhos de Deus, também Sua vista alcança todos os nossos maus pensamentos para condená-los e puni-los, pois "um Deus de ciência é o Senhor, e diante d'Ele estão patentes todos os pensamentos" (I Rs 2, 3).

2)                 Logo, nem todos os maus pensamentos são pecados, e nem todos os que são pecados trazem em si o mesmo cunho de malícia. Devemos considerar três coisas quando se trata de um pecado de pensamento, a saber: a sugestão, a deliberação e o consentimento. Alguns esclarecimentos a esse respeito:

a) Sob a palavra sugestão entende-se o primeiro pensamento que nos incita a praticar o mal que nos vem à mente. Esta instigação ou incitamento ainda não é pecado; se a vontade a repele imediatamente, é mesmo uma fonte de merecimentos. "Para cada tentação a que opuseres resistência, se te deverá uma coroa", diz Santo Antão. Até os Santos foram perseguidos por tais pensamentos. São Bento revolveu-se sobre os espinhos para vencer uma tentação impura, e São Pedro de Alcântara lançou-se em poço de água gelada. São Paulo nos informa que também ele foi tentado contra a pureza: "E para que a grandeza das revelações não me ensoberbece, foi-me dado um espinho em minha carne, um anjo de satanás para me esbofetear" (2 Cor 12, 7). O Apóstolo suplicou várias vezes ao Senhor que o livrasse desse inimigo: "Por essa causa roguei ao Senhor três vezes que o afastasse de mim". O Senhor não quis, porém, dispensá-lo do combate, e respondeu-lhe: "Basta-te a minha graça". E por que não queria o Senhor livrá-lo? Para que adquirisse maiores méritos por sua resistência à tentação: "Porque a virtude se aperfeiçoa na fraqueza". São Francisco de Sales diz que quando um ladrão procura arrombar uma porta, é porque não está ainda dentro da casa; assim também, quando o demônio tenta uma alma, é porque se acha ela ainda na graça de Deus.

Santa Catarina de Sena foi uma vez horrivelmente atormentada pelo demônio, durante três dias, com fortes tentações impuras. Apareceu-lhe então o Senhor para consolá-la, e ela perguntou-lhe: - Mas onde estivestes, Senhor meu, durante estes três dias? Jesus respondeu-lhe: Dentro do teu coração, dando-te força para resistires à tentação. E o Senhor deu-lhe a conhecer que o seu coração estava, depois da tentação, mais puro que antes.

b) À sugestão segue-se a deleitação. Quando nos damos ao trabalho de repelir imediatamente a tentação, sentimos nela uma certa complacência ou prazer, que nos vai arrastando ao consentimento. Mesmo então, se a vontade não dá seu assentimento, não há pecado mortal; quando muito, poderá haver pecado venial. Se, porém, não recorrermos então a Deus e não nos esforçarmos por resistir à tentação, facilmente nos sentiremos arrastados ao consentimento e perdidos, segundo as palavras de Santo Anselmo (De similit., c. 40): "Se não procuramos impedir a deleitação, ela se transformará em consentimento e matará a alma".

Uma senhora, que tinha fama de santa, teve, um dia, um mau pensamento, que não repeliu imediatamente, e pecou por pensamento. Por vergonha deixou de confessar esse pensamento criminoso e morreu, pouco depois, em estado de pecado. Porque morreu com fama de santidade, mandou o bispo que fosse sepultada em sua própria capela. No dia seguinte, porém, apareceu-lhe ela, toda circundada de fogo, e confessou-lhe, infelizmente já tarde demais, que estava condenada por ter consentido num mau pensamento.

c) Toda a malícia do mau pensamento está, porém, no consentimento. Havendo pleno consentimento, perde-se a graça de Deus e chama-se sobre si a condenação eterna, quer se tenha o desejo de cometer um pecado determinado, quer se pense ou reflita com prazer no pecado como se o estivesse cometendo. Esta última espécie de pecado chama-se uma deleitação deliberada ou morosa, e deve-se distinguir bem da primeira, isto é, do pecado de desejo.

3)                 Se fores, pois, molestada por tais tentações, alma cristã, não deves perder a coragem, antes, animosamente combater, empregando os meios que te vou indicar, e não sucumbirás:

a) O primeiro é humilhar-se continuamente diante de Deus. O Senhor castiga muitas vezes os espíritos soberbos, permitindo que caiam em qualquer pecado impuro. Sê, pois, humilde, e não confies em tuas próprias forças. Davi confessa que caiu no pecado por não ter se humilhado e ter confiado demais em si mesmo: "Antes de me haver humilhado, eu pequei" (Sl 118, 67). Devemos temer sempre a nossa própria fraqueza e colocar em Deus toda a nossa confiança, esperando firmemente que nos preserve desse vício.

b) O segundo meio é recorrer imediatamente a Deus, sem entrar em diálogo com a tentação. Logo que se apresentar ao nosso espírito um pensamento impuro, devemos elevar a Deus imediatamente o nosso pensamento ou dirigi-lo a qualquer objeto indiferente. A coisa melhor será invocar imediatamente os Santíssimos Nomes de Jesus e Maria, e não cessar de repeti-los até desaparecer a tentação. Se ela for muito forte, será bom repetir muitas vezes o seguinte propósito: Ó meu Deus, prefiro morrer a Vos ofender. Peça-se socorro, dizendo: Ó meu Jesus, socorrei-me. Maria, assisti-me. Os Nomes de Jesus, Maria e José possuem uma força especial para afugentar as tentações do demônio.

c) O terceiro meio é a recepção assídua dos Santos Sacramentos da Confissão e da Comunhão. É de suma importância revelar quanto antes ao confessor as tentações impuras. "Uma tentação revelada já está meio vencida", diz São Filipe Néri. E se alguém teve a infelicidade de consentir em uma tentação, não se demore nenhum instante em se confessar disso. São Filipe Néri livrou um rapaz desse vício, induzindo-o a confessar-se logo depois de cada queda.

A Santa Comunhão, está fora de dúvida, confere uma grande força na resistência às tentações desonestas. O Sangue de Jesus Cristo, que recebemos na Sagrada Comunhão, é chamado pelos Santos de 'Vinho gerador de Virgens' (Zac 9, 17). O vinho natural é um perigo para a castidade; este Vinho Celestial é o seu conservador.

d) O quarto meio é a devoção à Imaculada Mãe de Deus, que é chamada a Virgem das Virgens. Quantos jovens não se conservaram puros e castos como Anjos, devido à devoção à Santíssima Virgem!

e) O quinto meio é a fuga da ociosidade. O Espírito Santo diz (Ecli 33, 21): "A ociosidade ensina muita coisa má", isto é, ensina a cometer muitos pecados. E o profeta Ezequiel (Ez 16, 49), assevera que foi a ociosidade a causa das abominações e ruína final dos habitantes de Sodoma. Conforme São Bernardo, a ociosidade motivou a queda de Salomão. Por isso São Jerônimo exorta a Rústico (Ep. ad Rust., 2) que esteja sempre ocupado, para que o demônio não o preocupe com suas tentações. "Quem trabalha é tentado por um demônio só; quem vive ocioso, é atacado por uma multidão deles", diz São Boaventura.

f) O sexto meio consiste no emprego de todas as precauções exigidas pela prudência, tais como a modéstia dos olhos, a vigilância sobre as inclinações do coração, a fugida das ocasiões perigosas, etc.

Fonte: Tratado da Castidade - Santo Afonso


EXCELÊNCIA DA CASTIDADE

Salve Maria Puríssima!

Ninguém melhor que o Espírito Santo saberá apreciar o valor da castidade. Ora, Ele diz: "Tudo o que se estima não pode ser comparado com uma alma continente" (Ecli 26, 20), isto é, todas as riquezas da terra, todas as honras, todas as dignidades, não lhe são comparáveis. Santo Efrém chama a castidade de "a vida do espírito"; São Pedro Damião, "a rainha das virtudes"; e São Cipriano diz que, por meio dela, se alcançam os triunfos mais esplêndidos. Quem supera o vício contrário à castidade, facilmente triunfará de todos os mais; quem, pelo contrário, se deixa dominar pela impureza, facilmente cairá em muitos outro vícios e far-se-á réu de ódio, injustiça, sacrilégio, etc.

A castidade faz do homem um anjo. "Ó castidade, exclama Santo Efrém (De cast.), tu fazes o homem semelhante aos anjos". Essa comparação é muito acertada, pois os anjos vivem isentos de todos os deleites carnais; eles são puros por natureza; as almas castas, por virtude. "Pelo mérito desta virtude, diz Cassiano (De Coen. Int., 1. 6, c. 6), assemelham-se os homens aos anjos"; e São Bernardo (De mor. et off., ep., c. 3): "O homem casto difere do anjo não em razão da virtude, mas da bem-aventurança; se a castidade do anjo é mais ditosa, a do homem é mais intrépida". "A castidade torna o homem semelhante ao próprio Deus, que é um puro espírito", afirma São Basílio (De ver. virg.).

O Verbo Eterno, vindo a este mundo, escolheu para Sua Mãe uma Virgem, para pai adotivo um virgem, para precursor um virgem, e a São João Evangelista amou com predileção porque era virgem, e, por isso, confiou-lhe Sua santa Mãe, da mesma forma como entrega ao sacerdote, por causa de sua castidade, a santa Igreja e Sua própria Pessoa.

Com toda a razão, pois, exclama o grande doutor da Igreja, Santo Atanásio (De virg.): 'Ó santa pureza, és o templo do Espírito Santo, a vida dos Anjos e a coroa dos Santos!".

Grande, portanto, é a excelência da castidade; mas também terrível é a guerra que a carne nos declara para no-la roubar. Nossa carne é a arma mais poderosa que possui o demônio para nos escravizar; é, por isso, coisa muito rara sair-se ileso ou mesmo vencedor deste combate. Santo Agostinho diz (Serm. 293): "O combate pela castidade é o mais renhido de todos: ele repete-se cotidianamente, e a vitória é rara".

"Quantos infelizes que passaram anos na solidão, exclama São Lourenço Justiniano, em orações, jejuns e mortificações, não se deixaram levar, finalmente, pela concupiscência da carne, abandonaram a vida devota da solidão e perderam, com a castidade, o próprio Deus!"


Por isso, todos os que desejam conservar a virtude da castidade devem ter suma cautela: "É impossível que te conserves casto, diz São Carlos Borromeu, se não vigiares continuamente sobre ti mesmo, pois negligência traz consigo mui facilmente a perda da castidade".

Fonte: Tratado da Castidade - Santo Afonso

Quais são as carícias permitidas no namoro?

Salve Maria Puríssima!






Se o sexo fora do casamento é pecado, até onde podem ir as carícias no namoro? Para compreender a delicadeza do tema, é preciso lembrar que nem sempre o oposto do amor é o ódio. Na teologia moral, o contrário do amor pode ser justamente "usar o outro", usar o corpo da outra pessoa para o
próprio prazer e gratificação sexual.

Muitas coisas num namoro são feitas justamente "em nome do amor", porém, são exatamente o contrário disso: são a prova de que não há amor nenhum, mas sim um uso do outro. Não há sujeito, mas tão somente um objeto.

A linha que torna as carícias imorais num namoro obedece a um critério fundamental: o próprio corpo. Quando o corpo começa a sinalizar que está se preparando para uma relação sexual, é porque o limite foi ultrapassado. A lógica é simples: se duas pessoas não vão manter uma relação sexual, não precisam preparar-se para ela. Nesse sentido, insistir indevidamente em carícias representa um grave risco para ambos.

O Padre Antonio Royo Marín, O.P., em sua obra Teología Moral para seglares ["Teologia Moral para leigos"][01], apresenta um esquema bastante específico sobre as práticas que se constituem pecado. Ele afirma que olhar e tocar nas partes íntimas da outra pessoa é pecado grave:

600. 1º. Olhares e toques.

a) Será ordinariamente pecado mortal olhar ou tocar sem causa grave (como a tem o médico, cirurgião, etc.) as partes desonestas de outras pessoas, sobretudo se são do sexo oposto, ou se são do mesmo, se se tem inclinação desviada por ele. Diga-se o mesmo com relação aos seios das mulheres.

b) Pode ser simplesmente venial olhar as próprias partes unicamente com rapidez, curiosidade, etc., excluída toda intenção venérea ou sensual e todo perigo próximo de excitar nelas movimentos desordenados. Não é pecado algum fazer o mesmo por necessidade ou conveniência (v.gr., para curar uma enfermidade, lavar-se, etc.)

c) Para julgar a importância ou a gravidade dos olhares e dos toques nas partes restantes do próprio corpo ou de outros, mais que a anatomia, há que se conhecer a intenção do agente, o influxo que pode exercer na comoção carnal e as razões que houve para permiti-los, de acordo com os princípios anteriormente expostos. Às vezes será pecado mortal o que em outras circunstâncias ou intenções seria tão somente venial e quiçá pecado algum.

d) O que foi dito em relação ao corpo humano aplica-se à vista de estátuas, quadros, fotografias, espetáculos, etc., e na medida, grau e proporção com que se pode excitar a própria sensualidade.

Quanto aos beijos e abraços, é preciso recordar que o que faz um pecado é a intenção. Assim, beijos e abraços com a intenção de se excitar e de excitar a outra pessoa, são realmente pecados graves, pois a intenção é pecaminosa. Amar significa também manter-se casto.

Em relação aos beijos apaixonados trocados por pessoas que já possuem um sério compromisso, é seguinte o parecer do Pe. Royo Marín:

602.2º. Beijos e abraços.

a) Constituem pecado mortal quando se pretender com eles excitar diretamente ao deleite venéreo, ainda que se trate de parentes e familiares (e com maior razão entre estes, pelo aspecto incestuoso de seus atos).

b) Podem ser mortais, com muita facilidade, os beijos passionais entre noivos (ainda que não se tente o prazer desonesto), sobretudo se são na boca e se prolongam algum tempo; pois é quase impossível que não representem um perigo próximo e notáveis movimentos carnais em si mesmo ou na outra pessoa. Quando menos, constituem uma falta grandíssima de caridade para com a pessoa amada, pelo grande perigo de pecar a que ela se expõe. É incrível que essas coisas sejam feitas feitas em nome do amor (!). Esta paixão cega não os deixa ver que esse ato de paixão sensual, longe de constituir um ato de verdadeiro e autêntico amor - que consiste em desejar fazer o bem ao ser amado -, constitui, na realidade, um ato de refinadíssimo egoísmo, posto que não hesita em satisfazer a própria sensualidade à custa de causar um grande dano moral à pessoa amada. Diga-se o mesmo dos toques, olhares, etc., entre esta classe de pessoas.

c) Um beijo rápido, suave e carinhoso dado a outra pessoa em testemunho de afeto, com boa intenção, sem escândalo para ninguém, sem perigo (ou muito remoto) de excitar a própria sensualidade ou do outro, não pode ser proibido em nome da moral cristã, sobretudo se há alguma causa razoável para ele; v.gr., entre prometidos formais, parentes, compatriotas (de onde seja costume), etc.

d) O que acabamos de dizer pode aplicar-se, na devida proporção, aos abraços e outras manifestações de afeto.

É preciso ter sempre em mente que o amor acontece entre dois sujeitos, e não entre um sujeito e um objeto. Por isso, a Igreja ensina a não transformar o outro em coisa, em brinquedo. Sobretudo se deve respeitar o corpo do ser amado como templo do Espírito Santo, caminhando com ele rumo ao céu, para que um dia possam concelebrar, junto com os anjos e com os santos, o amor de Deus.

Referência:
MARÍN, Antonio Royo, "Teología Moral para seglares - Moral Fundamental y especial", 600-602, p. 1533

Fonte: https://padrepauloricardo.org/episodios/quais-sao-as-caricias-permitidas-no-namoro

A origem das vestes

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Salve Maria Puríssima!

É importante preocupar-se com a forma de se vestir? 

No Livro de Gênesis no Cap. 2, 25 vemos que o homem e a mulher viviam nus e não se envergonhavam, mas, logo depois da queda houve uma preocupação em relação ao vestir-se, ao cobrir o corpo: "Então os seus olhos abriram-se; e, vendo que estavam nus, tomaram folhas de figueira, ligaram-nas e fizeram cinturas para si" (Gn 3, 7). E o mais interessante em tudo isto é notar que a forma da qual Adão e Eva se cobriram não agradou a Deus, então o próprio Deus faz uma veste, uma roupa para o casal: "Iahweh Deus fez para o homem e sua mulher túnicas de pele, e os vestiu" (Gn 3, 21). E porque será que Deus fez túnicas? Porque na túnica está presente todos os padrões exigidos pela modéstia, a túnica cobre todo o corpo e não marca, isto é, não deixa transparecer a forma do corpo.  A veste que Deus faz é bem diferente da veste que o casal havia feito. Provavelmente a roupa que o casal havia feito tampava somente os genitais e agora Deus faz uma que cobre todo o corpo. Deus sabe a desordem que o pecado causou no casal e que por isto a veste não podia cobrir somente os genitais.

Com isto, vemos como a questão das vestes entra no mundo, e que pelo fato do próprio Deus ter feito uma veste, mesmo que o casal já tivesse feita uma, nos mostra que não é qualquer forma de se vestir e de cobrir o corpo que agrada a Ele. Por isto, a veste, a roupa, é uma consequência do pecado. E de lá para cá sempre houve uma preocupação da Igreja em relação ao vestir-se. Até mesmo na Igreja Primitiva vemos esta preocupação com o vestir, o Apóstolo São Paulo diz: "Quero que as mulheres usem traje honesto, ataviando-se com modéstia e sobriedade" (I Tm 2, 9).

Deus quer então que usemos vestes honestas, isto é, vestes que não seja uma ocasião de pecado, como nos exortou o Papa Pio XII: "Se certo tipo de vestimenta constitui uma ocasião grave e imediata de pecado, e põe em perigo a salvação de sua alma e de outros, é seu dever desistir de usá-lo". 

Devemos nos preocupar com o nosso vestir, porque ele nos revela quem nós somos:

A VESTE de um homem, seu sorriso e o seu andar revelam o que ele é” (Cf. Eclesiástico 19, 30), isto na Tradução da Bíblia Jerusalém.

Já na Tradução da Ave-Maria está assim: “As VESTES do corpo, o riso dos dentes, e o modo de andar de um homem fazem-no revelar-se” (Cf. Eclesiástico 19, 27). E Santo Ambrósio ajunta que “na atitude corporal se vê a disposição do espírito” e que “o movimento corporal é como uma voz da alma”.

Daí a afirmação de Ambrósio: pelos movimentos exteriores é que julgamos se um homem, no fundo do seu coração, é leviano, arrogante ou perturbado; ou se, pelo contrário, é ponderado, constante, puro e amadurecido”.

Também o Catecismo da Igreja Católica nos ensina que: "A atitude corporal (gestos, roupa) há de traduzir o respeito, a solenidade, a alegria deste momento em que Cristo se torna nosso hóspede" (Catecismo da Igreja Católica n. 1387).

Vemos também que a questão das vestes, sempre foi uma preocupação da Igreja:

Papa Pio XII disse: Agora, muitas meninas não vêem nada de errado em seguir certos estilos desavergonhados, assim como muitas ovelhas. Elas certamente enrubesceriam se pudessem adivinhar a impressão que elas causam e os sentimentos que despertam em quem as vê”. (Alocução às Filhas de Maria Imaculada, 17 de julho de 1954).

Elas certamente enrubesceriam (a palavra enrubescer, significa, tornar-se vermelho)  se pudessem adivinhar a "impressão que elas causam e os sentimentos que despertam em quem as vê" afirma o Papa. Realmente dependendo da veste, curta, transparente, apertada e etc, gera um sentimento de pecado em quem vê. Pecados como, a impureza dos olhos, dos pensamentos, da masturbação, de adultério, já que Jesus nos adverte dizendo: "todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração" (Mt 5, 28).

Por isto afirma Santo Agostinho: “Em todos os vossos movimentos, nada se faça que ofenda os olhos de quem quer que seja, mas só o que convém à vossa santidade”.

o Papa Bento XV expressou seu choque por causa das mulheres que abraçam as tendências da moda. Ele escreveu: “Não se pode deplorar suficientemente a cegueira de tantas mulheres de qualquer idade e posição. Feitas de bobas por um desejo de agradar, elas não veem em que medida a indecência de suas roupas choca a cada homem honesto e ofende a Deus. A maioria delas ficaria enrubescida por causa deste tipo de vestuário, como por uma falta grave contra a modéstia cristã. Agora não basta exibir-se em vias públicas, elas não temem cruzar o limiar de igrejas, para assistir ao Santo Sacrifício da Missa, e até mesmo carregar o alimento sedutor das paixões vergonhosas para a mesa eucarística, onde se recebe o Autor da Pureza Celestial. E nem vamos falar das danças exóticas e bárbaras recentemente importadas para os círculos da moda, uma mais chocante que a outra; não se pode imaginar nada mais adequado para banir todos os resquícios de modéstia.” (Carta Encíclica Sacra Propediem, 6 de janeiro de 1921.)

Papa Pio XII: ”Ó mães cristãs, se vocês soubessem o que um futuro de ansiedades e perigos, de dúvidas depressivas, de mal suprimida vergonha vocês preparam para seus filhos e filhas, deixando-os imprudentemente acostumados a viver escassamente vestidos e fazê-los perder o senso de pudor, vocês teriam vergonha, e temeriam o dano que vocês estão causando a vocês mesmas, os danos que vocês estão causando a essas crianças, a quem o Céu confiou a vocês para serem educadas como cristãs”. (Alocução às Meninas da Ação Católica, 22 de maio de 1941.)

São João Crisóstomo instruiu as mulheres de todos os tempos sobre o vestuário, quando no século IV, ele declarou:

“Você carrega suas armadilhas e espalha suas redes em todos os lugares. Você alega que nunca convidou os outros ao pecado. Você não fez isso, certamente, por suas palavras, mas você tem feito isso através do seu vestuário e do seu comportamento. … Quando você fez com que outro cometesse pecado em seu coração, como pode ser inocente? Diga-me, quem é condenado neste mundo? Quem os juízes punem? Aqueles que bebem veneno ou aqueles que o preparam e administram a poção fatal? Você preparou o copo abominável, você tem dado a morte como bebida, e você é mais criminosa do que aqueles que envenenam o corpo, você assassina não o corpo, mas a alma. E não é aos inimigos que você faz isso, nem por qualquer necessidade imaginária, nem provocada pela injúria, mas por tola vaidade e orgulho.”

Num documento mais recente do ano de 1995 vemos que as coisas não mudaram, mas mostra que o pensamento da Igreja continua sendo o mesmo. Quero colocar aqui um parte do documento para que ninguém diga que as coisas mudaram depois do concílio Vaticano II.

O pudor e a modéstia:

"A prática do pudor e da modéstia, no falar, no agir e no vestir, é muito importante para criar um clima apropriado à conservação da castidade, mas isto deve ser bem motivado pelo respeito do próprio corpo e da dignidade dos outros. Como já se mencionou, os pais devem vigiar a fim de que certas modas e certas atitudes imorais não violem a integridade da casa" (Conselho Pontifício para a família, Sexualidade humana: verdade e significado n.56).


"O pudor é modéstia. Inspira o modo de vestir" (Catecismo da Igreja Católica n. 2522).

Por: Hélio Maria

Pitorescas

quinta-feira, 10 de julho de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Há alguns dias um padre da tv Aparecida fez alguns comentários um tanto mordazes sobre o uso do véu. Não vou entrar nos detalhes do caso mas o Tradição em foco com Roma e o Frates in Unum  explicam direitinho o que aconteceu. O que tenho a dizer é...
Somos Pitorescas!

Modestia no campo

terça-feira, 8 de julho de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Modéstia nos centros urbanos é "fácil", mas no campo, no interior as vezes é um tanto complicado, como os chatos carrapichos que grudam na roupa... Enfim. Mas sendo uma virtude, ela cabe em todos os lugares. 
Algumas fotos para inspirar:







OBS: Mais de um mês sem postar nada! Pois é, não foi por causa da copa =)  as vezes faltam ideias ou as palavras certas para materializá-las. Aceito sugestões. =)

Há 4 anos conheci a Modéstia...

sexta-feira, 23 de maio de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Foi num domingo, 23 de maio de 2010, que uma amiga me chamou para ir numa palestra da Julie Maria. A principio eu nem queria ir, mas ainda assim fui. Aquela palestra no Jardim da Imaculada (Ocidental - Goias) mudou a minha vida; parafraseando, as escamas caíram dos meus olhos. Antes de começarmos a viver (ou seja, antes de fazer tapete das calças jeans) fomos estudar e nisso despertou o desejo pela Apologética; daí veio o uso do véu, a piedade na Santa Missa, o zelo pelo Santíssimo Sacramento... A vida espiritual da Comunidade avançou. 
Depois de "conhecer" a modéstia pelos livros, fui pesquisar na internet e conheci a Maria Rosa, Mulher Católica, o Moda e Modéstia, o saudoso Teus Vestidos; blogs que não falavam somente da modéstia mas da doutrina Católica e daí aprendi o que de fato é a TL, socialismo e suas influências na moda, o mal que é o feminismo... Enfim, começou com uma palestra sobre vestir e pudor que me impulsionou a ser católica de fato.
Agradeço muito por aquele domingo de maio que num santuário da Virgem Imaculada eu conheci a modéstia... Pois é, já se passaram 4 anos. 


Um clássico: bolinhas!

quinta-feira, 15 de maio de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Estampa de bolinhas é um clássico. Quanto menor mais delicada fica a peça, mas dependendo do modelo da roupa, bolinhas um pouco maiores também ficam uma graça. 

Decote muito baixo.










Andar de bicicleta usando saia? Sim!

terça-feira, 1 de abril de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Quem nunca precisou ir no mercado no domingo comprar alguma coisa que faltou para o almoço e como estava com pressa pegou a bicicleta pra ir mais rápido? Ou quem nunca foi para o colégio de bicicleta? Bem, no ensino fundamental quem ia de bicicleta para o colégio, era 'o máximo'.

Bons tempos, mas agora, na vida de saia longa é impossível conciliar a bicicleta com a saia...
Quem disse? 


É mais confortável pedalar com o cabelo preso. 





Ficam algumas dicas:
-> Saia maxi não dá certo, a menos que ela não seja muito rodada e um pouco mais rente ao corpo.
-> Saia muito rodada também não é funcional (acredite em mim, experiência própria e traumática).
-> A saia deve ser abaixo do joelho, batendo na metade da canela, tamanho midi. 
-> Para subir na bicicleta basta dar um inclinada, como mostra a foto abaixo, ou subir no meio-fio. 
->Usar uma legging de ginástica por baixo da saia garante uma proteção contra  as inoportunas rajadas de vento que podem levantar a saia. 

Não é de hoje que as mulheres andam de bicicleta usando saia/vestido.

19 de março: Glorioso São José

quarta-feira, 19 de março de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Mt 1, 24: Quando acordou, José fez conforme o anjo do Senhor havia mandado e aceitou sua esposa.
Bem podemos imaginar que, vencida a provação, ao acordar de manhã foi São José logo adorar a Jesus Cristo no seu primeiro e mais santo Sacrário: Maria Santíssima. Deus tinha Se encarnado e ali estava, sob sua guarda! Ele já não poderia olhar para Nossa Senhora sem adorar o Deus-Menino entronizado naquele incomparável Tabernáculo.

Sabemos que algumas almas, por predileção divina, como as de Jeremias e do Batista, foram santificadas antes de verem a luz do dia. Ora, o que diríamos de José? (...) [Ele] supera todos os outros santos em dignidade e santidade; somos, pois, livres para conjecturar que, embora não esteja consignado na Escritura, ele deve ter sido santificado antes de seu nascimento e mais cedo que qualquer um dos demais, pois todos os Santos Doutores concordam ao dizer que não houve nenhuma graça concedida a qualquer santo, exceto Maria, que não tenha sido concedida a José¹. 

¹ THOMPON, Edward Healy, The Life and Glories of Saint Joseph. London: Burns & Oates, 1888, p.41

(Revista Arautos do Evangelho, número 108; 2010. Comentário ao Evangelho. Monsenhor João Clá Dias)

Glorioso São José, ora pro nobis!

A pureza de Santa Gemma Galgani

segunda-feira, 17 de março de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!


Gemma Galgani (Gemma vem latim e significa joia), nasceu no dia 12 de março de 1878 e faleceu em Lucca (Itália) no dia 11 de abril de 1903, aos vinte e cinco anos de idade. 

A modéstia modera certas pequenas paixões, externas e desregradas. Prescreve, portanto, regras aos olhos, a língua, a todos os membros, quanto a decência e aos movimentos. Esta virtude não consiste tão somente na composição exterior, deve proceder da composição interior da alma.

O vestuário de Gemma era o mais simples e modesto possível. Durante toda a sua vida vestiu preto, sem enfeite algum, apesar dos motejos e da perseguição das próprias irmãs, que muitas vezes lhe exprobravam a excessiva modéstia. O preto dizia-lhe o que o preto da batina diz ao padre: que a vida cristã deve ser uma vida de sacrifícios, de mortificação, de renúncia, de abnegação, de luto e de morte ao mundo. Verdadeiramente, Gemma foi uma jóia, foi um ônix, esta pedra fina de um preto resplandecente.

O padre Germano refere a este propósito o seguinte: no ano de 1895, Gemma recebeu de um primo um lindo relógio com o respectivo trancelim, bem como uma cruz, tudo de ouro de lei. Em consideração à pessoa unicamente, e não por vaidade, quis adornar-se, pelo menos uma vez na vida e saiu levando o mimo. Ao voltar para casa, encontrou o anjo da guarda com o rosto irado que lhe disse “uma esposa de Cristo não deve ter outro adorno a não ser os espinhos e a cruz”. Gemma caiu de joelhos soluçando e derramando rios de lágrimas, exclamou: “oh, Jesus, perdão! Por amor de Vós e somente para Vos agradar, prometo renunciar para todo o sempre a vaidade e aos atavios, e juro nunca mais pensar nessas misérias nem falar nessas frivolidades”. Levantando-se, arremessou ao chão a rica dádiva, bem como um anel que trazia no dedo desde menina e pisou aos pés esses objetos de luxo. Gemma foi fiel a sua promessa, e nunca mais lembrou-se de ataviar-se.

Diz o autor da sua biografia que os olhos da serva de Deus só eram vistos com clareza, quando estava em êxtase; fora destes momentos baixava-os com pudor. [...] Gemma sabia que a vista inclinada para o chão eleva o coração a Deus (S. Bernardo).

“É próprio das virgens, diz S. Ambrósio, temer toda a conversa e contato humano, e fugir das ocasiões perigosas”.
Sabendo que o menor hálito embaça um espelho, Gemma, evitava, com o máximo cuidado, o contágio que lhe pudesse ofuscar o brilho da inocência. Ciente de que trazia a virtude num vaso quebradiço e que não podia conservar a continência, como disse Salomão, sem o auxilio de Deus, todos os dias orava nesta intenção. 

Prostrada perante a imagem da Imaculada, de mãos postas, dizia: Ó minha Mãe, não consintais que perca a minha inocência; recorro a vossa proteção e me coloco debaixo de vosso manto materno. Guardai minha pureza para que possa agradar a Jesus cada vez mais.

(PADRE XAVIER CHUET. A joia das Filhas de Maria. 1918) 

OBS: livro disponível no Alexandria Católica, A joia das Filhas de Maria.

Para meditar.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!


É... A questão é séria! "É inútil (I-N-Ú-T-I-L) procurar restaurar a castidade nos indivíduos, nas famílias e na sociedade se a a sua salvaguarda, a modéstia, é ignorada...". É inútil! Para que tenhamos uma sociedade Casta é preciso que seja uma sociedade Modesta. 

Para meditar

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!


A atual moda agradaria ao Imaculado Coração de Maria Santíssima? Se não quer ir tão alto, agradaria Santa Maria Goretti ou Santa Ágata ou Santa Inês, ou Santa Perpetua¹? Será que as mártires da pureza se sujeitariam a uma moda ridícula, vulgar e unissex? Bem, se elas lutaram pela castidade, mesmo que isto significasse uma morte dolorosa, a resposta é não, elas não se sujeitariam a moda, e parafraseando a beata Jacinta Marto "a Igreja não tem modas, Deus é sempre o mesmo". 
E a Virgem Maria? Ela é a Imaculada Conceição, Mãe de Deus, Sempre Virgem e Assunta ao Céu, com absoluta certeza ela não vestiria as roupas que estão na moda nos nossos dias. Ela é nosso modelo. Não pede de nós que usemos as roupas que eram usadas no seu tempo, mas que usemos as roupas que ela aprovar do nosso tempo. 

"Olhai como veste a Mãe do Senhor..."

¹ [...] ao primeiro impacto ela é atirada ao ar e daí ao solo estraçalhada, e com as vestes rasgadas "sentou-se e vendo a roupa rasgada ao longo da perna. juntou-a prontamente, mais ocupada com o pudor do que com a dor". Vida dos Santos. Editora das Américas, V. IV, pág. 240.

Customizando com pérolas

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

Com a atual moda 'largada' é difícil encontrar peças delicadas no mercado, mas com um pouco de criatividade e pérolas que todo bom armarinho tem, é possível dar um ar de maior feminilidade para as peças.






♫♪ Nosso olhar se volta em direção ao Céu ♪♫

domingo, 16 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!

A respeito da modéstia do olhar.


São Bernardo, depois de um ano inteiro no noviciado, não sabia se o teto de sua cela era plano ou abobadado.
São Francisco de Sales dizia: "Quem não quiser que o inimigo penetre na fortaleza, deve conservar as portas fechadas". 
(Escola da Perfeição Cristã, obra compilada dos escritos de Santo Afonso Maria de Ligório)

"Nosso Senhor foi o primeiro a ensinar-nos esta modéstia dos olhos: se o Evangelho observa por vezes que Ele ergueu os olhos para olhar os seus discípulos (S. Lucas VI, 20), é para dar a entender que Ele os conservava ordinariamente baixos" (Santo Afonso Maria de Ligório).
Todavia "o que mais prejudica não é tanto a vista como o olhar refletido, com os olhos fixos e a discernir em demasia" (São Francisco de Sales); "se, por acaso, os nossos olhos deslizarem para qualquer pessoa, não os detenhamos em nenhuma" (Santo Agostinho). 
Ou ela olhe, ou se olhe, ou se exponha a ser olhada, a virgem deve lembrar-se de que "os olhos são os primeiros ladrões da castidade e os primeiros solicitadores da impureza" (Padre Saint Jure).
(PE. F. MAUCOURANT. Ensaio sobre a Castidade. Edições Paulinas. 1959)

Quem, sem necessidade, quer ver tudo, ouvir tudo, provar tudo é semelhante àquele que deixa as portas da própria casa abertas a qualquer invasão. Os sentidos são as portas da alma, importa guardá-los para não pôr em perigo o tesouro da Castidade.
(PE. GABRIEL DE SANTA MARIA MADALENA. O.C.D. Intimidade Divina, meditações sobre a vida interior para todos os dias do ano. Edições Carmelitanas, traduzida da 12ª edição italiana. Edição de 1967)

A Virgem Maria e os santos nos dão o exemplo na prática.

Para meditar

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!


Penteados e algumas idéias

sábado, 1 de fevereiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA!!

Solto ou uma trança convencional ou rabo de cavalo... As vezes queremos sair do rotineiro, hoje trago algumas idéias de penteados bem simples que ficam bem femininos. 
O video abaixo ensina a fazer a trança espinha de peixe usada neste penteado de cima.





Para mais algumas idéias acesse o pinterest Lírios de Maria.

Modéstia, Castidade e Namoro à luz da Consagração à Imaculada

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

SALVE MARIA IMACULADA

No dia 08 de dezembro de 2012 a CMM foi convidada a passar um Dia com Maria, em Anápolis, com os Franciscanos da Imaculada e outras pessoas que iriam se consagrar ou renovar sua Escravidão de Amor. Um dos palestrantes foi o Padre Luiz Carlos Lodi, Pró-Vida Anápolis e segue abaixo alguns excertos da sua palestra "Modéstia, Castidade e Namoro à luz da Consagração à Imaculada" (Adaptação Débora Maria):


É muito importante que os namorados se amem, mas o amor não tem nada a ver com contato físico. O amor não se prova com abraço, não se prova com beijo, não se prova pela relação sexual, os animais também fazem isso e eles não se amam. 
É importante que os namorados dêem provas de amor e peçam provas de amor. O amor se prova com três coisas: tempo, distância e sacrifício. Você me ama? Então vamos esperar. O verdadeiro amor sabe resistir ao tempo. Você me ama? Então vamos separar os nossos corpos, vamos namorar só no máximo dando as mãos. Por quê? Por que o amor sabe guardar a distância física para unir as almas! Você me ama? Então vamos nos sacrificar. Por quê? Por que o amor sabe abster-se de prazer por causa do outro! Isso é uma prova de amor! Se você pedir e se você oferecer essa prova, saiba que seu namoro será excelentemente santo! 

[...]


Por que o namoro existe para conhecer, não o corpo, mas a alma do outro. O namoro existe para doar não o meu corpo, mas a minha alma ao outro. Ora se é para conhecer a alma, se é para doar a alma, deixem os corpos bem longe, por que eles não costumam ajudar. No conhecimento espiritual é muito importante a distância, por que a proximidade física faz com que as paixões comecem a gritar e naquela gritaria da paixão a alma fica surda e muda e os dois não conseguem enxergar um no outro a não ser um pedaço de carne para ser desfrutado e depois jogado fora. 
[...]
“Padre, mas eu sou forte”, você não é forte, como diz a Madre Maria Helena Cavalcanti, fundadora e superiora das Irmãs de Belém: “nas tentações não há fortes nem fracos, há prudentes e imprudentes, os prudentes fogem e reconhecem a sua fraqueza, os imprudentes vão ao encontro do perigo dizendo: ‘eu vou vencer’ e caem”.
[...]
Vão dizer: “vocês são doidos”. Mas nós não somos os primeiros, trataram assim Nosso Senhor, colocaram Nele uma coroa de espinhos, colocaram uma túnica branca para dizer que Ele era maluco! E a nossa resposta é: eu sou louco, mas sou louco com Ele, eu sou agora escarnecido, meu Mestre foi primeiro, eu sou agora excluído e jogado fora, Ele também foi jogado fora da cidade de Jerusalém e lá foi Crucificado. Mas uma coisa que o mundo não sabe dar e que você praticando a castidade vai receber é a alegria, por que a alegria da pureza é imensamente maior do que o prazer da impureza.
[...]
Nem todos são chamados para o matrimônio, eu, por exemplo, não fui, e você ao invés de perguntar “com quem eu vou me casar?” pergunte primeiro: “meu Deus, a minha vocação é essa?” Pode ser que sim, mas se não for, quem sabe Deus tenha escolhido a mim para algo superior ao matrimônio: para a vida sacerdotal ou religiosa. Mas se a minha vocação for para o matrimônio, eu não tenho que fabricar a minha esposa nem o meu esposo, se a minha vocação é matrimonial, a pessoa que Deus escolheu, já existe, o que eu tenho que fazer é pedir a Ele que me mostre “mostra-me Senhor, quem Tu escolheste para estar ao meu lado todos os dias da minha vida”, se não sou eu quem irei fabricar essa pessoa, eu não vou ficar apavorado e angustiado, eu vou apenas pedir a Deus que Ele me revele aquilo que Ele já sabe, e isso faz com que eu não fique com aquela neurose que alguns jovens tem: “o tempo está passando, eu estou passando da idade de me casar, não vou encontrar ninguém, socorro…” calma! Primeiro por que você não sabe se esta é a sua vocação, mas se for Deus já tem essa pessoa, Ele já escolheu desde toda eternidade. 

Padre Luiz Carlos Lodi.
obs: o vídeo da palestra na integra está disponível no youtube